Relato Geral de meu Sistema Ritualístico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Relato Geral de meu Sistema Ritualístico

Mensagem  Évora Yang em Sab Jun 28, 2014 12:14 am

Relato Geral de meu Sistema Ritualístico. 
 
  
 Todas as minhas ações no oculto, foram ensinadas por meu avô, e com o tempo aperfeiçoadas e adaptadas por mim, para mim. 
 Eu sempre usei o círculo e triângulo da arte feitos de sal, era uma regra de meu avô, e eu sempre o fiz. É um trabalho manual difícil e cansativo, mas com determinação e uma boa coluna, o faz.
 Obs: No porão onde meu avô fazia as operações o círculo era o tradicional de Salomão, e era pintado no chão, como regra, em todos os rituais meu avô "contornava" o círculo e o triângulo (também pintado no chão) com o sal consagrado. Hoje, como não moro mais no mesmo local, utilizo o círculo mágico thelemico, já que tive de mandar confeccionar o círculo tradicional de Salomão em tapete. 
   Para as minhas defumações de limpeza, uso casca de cebola, pimenta, arruda, benjoim e outros. Costumo usar muitos incensos também, sal grosso do Himalaya, verbena, cedro, sândalo e afins. 
 Coloco sempre um copo com água e sal no cômodo onde faço as operações. (Oh coisa antiga)
 Registro tudo em detalhes o antes, durante e depois, e levo meu diário para dentro do círculo. 
 Geralmente escrevo em detalhes meu pedido, e coloco junto ao selo correspondente, além de o ler em voz alta. 
 Em relação ao espelho negro, por vezes o uso, noutras prefiro a bola de cristal. Mas ainda sim as duas são eficientes. 
  Apesar de ter, nunca precisei usar a espada durante os rituais (e não foram poucos). 
Só consegui de fato ver a entidade no meu quarto ritual, e diferente do meu avô que já havia o contatado e não tivera uma boa experiência, comigo foi o oposto. 
Para meu avô ele apareceu como um jovem bonito com cicatrizes, pretensioso e sarcástico. 
Para mim, ele apareceu como um senhor com barbas longas, de nariz chato, e indiferente. 
Com meu avô ele "passeou" muito até chegar as respostas de fato. 
Lembro que meu avô disse que ele fez um jogo mental, respondia uma pergunta com outra pergunta e sempre muito sarcástico. Em um dos relatos escritos de meu avô, ele cita várias vezes que ele lhe disse: "Por que precisa de mim se pensas que não sou digno (de confiança) para aqui estar?" 
Comigo ele fora o oposto, respondeu todas as perguntas de forma rápida e clara, parecendo não se importar se eu deveria ou não saber, e no final do ritual ele disse que meu avô era engraçado. (Não me pergunte o porquê, ele deve ter gostado de jogar com ele)
Ou seja, por vezes aquele daemon que foi "fácil" pro seu colega contatar, pode não ser fácil pra você, ou o contrário, difícil para ele e fácil para você.  
O grande X de todas as minhas evocaçoes é o depois. Minha sensitividade aflorou, e os efeitos "pós ritual" são fortes. 
Sono, letargia, (o famoso desgaste mental) e visões (nem sempre boas, é o ônus). 
Nunca, repito, nunca fiz um ritual de banimento, e sim, é por opção. Minhas limpezas sempre foram o suficiente para preparar, fechar e limpar o local. É algo que faço constantemente, e nos dias do ritual são ainda mais incrementados. Nunca me trouxe problemas, mas aí, é comigo.
Já que, por vezes meu avô fazia, e meu pai, quase sempre. 
Sem contar que sinto quando estou sendo "atacada" por energias baixas perdidas. Então sei como proceder. (Até hoje não deu problemas)
  Sou uma antiga adepta de amuletos de proteção, diferente da linha de meu avô e pai, minha avó segue a linha da magia natural, com ervas, talismãs, amuletos, poções, simpatias e afins.  
Uso o pentagrama de prata (menor que o normal) no peito, o hexagrama fica na parte de trás, na nuca (parece um escapulario), há algumas pedras as quais carrego que são consagradas para sugar toda energia ruim que for direcionada à mim, são minhas xodós. (Para os rituais uso o pentagrama e o hexagrama normais, o primeiro no peito e o outro pendurado na cintura.)
   Não faço rituais de supetão, costumo planejar antecipadamente (semanas antes, rs) com cautela tudo o que vou fazer. O intento, as possíveis consequências, o daemom em questão, suas características, as regências planetárias, os materiais, tudo que estiver relacionado. 
  Bom, eu não sou boa em explicar (vão ouvir muito isso ainda, rs), mas de modo geral esse é o meu "sistema ritualístico". 
Abraços, 
Évora


Última edição por Évora Yang em Sab Jun 28, 2014 1:21 am, editado 1 vez(es)
avatar
Évora Yang
Novato
Novato

Cavalo Mensagens : 7
Data de inscrição : 28/04/2014
Idade : 26
Localização : Rio Grande do Sul

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Relato Geral de meu Sistema Ritualístico

Mensagem  Lyktos em Sab Jun 28, 2014 12:50 am

Adorei a ideia do tapete, sério, isso é revolucionário!Vou tentar aplicar(mandar fazer o tapete), vamos ver se dá certo, porque toda vez ter que usar ou caneta de escrever em espelho(ainda vou ter que usar, para escrever no espelho, claro ¬¬) e/ou giz( me livro disso \o/ ) é ruim de ter que limpar!
avatar
Lyktos
Neófito
Neófito

Cavalo Mensagens : 17
Data de inscrição : 19/10/2012
Idade : 27
Localização : Lyktos, Greece

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Relato Geral de meu Sistema Ritualístico

Mensagem  MorganaV em Dom Jun 29, 2014 12:13 pm

Oi Evora,gostei mt do seu relato,mt claro e coerente.
Posso te fazer uma pergunta?
Como se consagra os instrumentos, o sal e tal? Eu li em um livro sobre a magia antiga e menciona sobre a eficacia do circulo de sal, fala sobre consagraçao tambem, só nao especifica. Me tira essa duvida? E continue postando, to adorando ler seus relatos.

MorganaV
Novato
Novato

Mensagens : 8
Data de inscrição : 26/06/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Relato Geral de meu Sistema Ritualístico

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum