O Pequeno Livro do Black Venus o culto da Deusa Negra, parte III

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O Pequeno Livro do Black Venus o culto da Deusa Negra, parte III

Mensagem  Convidad em Qua Ago 29, 2012 7:40 am

No entanto, há ainda mais para este ritual aparentemente simples. Como um geômetra, Dee teria notado que o vedante central, dada a sua forma hexagonal, pode ser visto como um cubo, quatro faces, e uma parte superior e inferior. As imagens em ambos os lados da junta de vedação suporta este conceito, com os quatro "elementar" sigils tendo os lados com os sigilos mais longos e mais complexos como o topo e no fundo. Se pensarmos os seis espíritos planetários atribuídos aos pontos do hexagrama, então é fácil ver a estrela de seis pontas, e de que outro cubo, ou uma série de cubos, colocando o cubo central / selo.

Figura 15 - Hexagramas e Cubos:


E com esta realização, temos a centelha que provocou a luz a piscar diante, como "quando o fogo se acendeu, esse conhecimento nasce na alma e, doravante, se alimenta", de Platão próprias palavras. Dentro de alguns meses, esta crescente conscientização resultaria na Mônada hieroglífica, e, algumas décadas depois, no corpus do material de Enochian. Todos estes trabalhos a depender de um entendimento da geometria sagrada, levado para um nível extraordinário de insight. Dee ganhou essa visão através de um entendimento de, e talvez de uma interacção com a estrutura do ritual Venus Black. Ao visualizar o conceito complexo de um cubo dentro de um cubo, que também se desdobra em seis cubos ligados às faces de um cubo sétimo, Dee tinha tropeçado em o conceito-chave da dimensão matemática 4, o do hipercubo. O Selo Anael forma o cubo interior, os selos que governa formar o cubo exterior.

Figura 16 - Cubos e hipercubos:


Este foi realmente a geometria sagrada levado para um nível totalmente novo de entendimento. Dee e outros matemáticos do século XVI não tinha vocabulário além da metáfora para descrever estes conceitos, e os estudiosos têm evitado aplicando posteriores desenvolvimentos conceituais em matemática acadêmica com a geometria sagrada inerente a magia. No entanto, uma forma matemática para descrever e apreender o conceito de dimensões superiores era quase o Santo Graal da espiritualidade matemática Dee. Que ele deve encontrar essa pista em uma peça arcaica de pagão magia, um com ecos de ambos Trithemius e seus recém copiadas fragmentos herméticos ("Eu suplico a vocês em nome de Fogo, da Água, do Ar e da Terra; conjuro você em nome das alturas do céu e as profundezas do submundo da Terra ") simplesmente confirmar e expandir as crenças que ele já tinha. Seus estudos matemáticos e sua pesquisa profunda nas correspondências cabalísticas lhe permitiu colocar o conceito em um contexto muito mais amplo. A idéia do Cubo do Espaço, por exemplo, foi muito enriquecido pela adição de maiores dimensões geometrias, e Dee também teria visto suas implicações para o momento da grande ano e que ele viu como uma Apocalypsis chegando e Idade de Ouro. [42]

Figura 17 - Belzazael e Gethog:

Anteriormente neste artigo, apontou as semelhanças e conexões possíveis entre Seal Dee de sigilos Ameth planetários e que os espíritos Olímpicos. Dada a relação entre os espíritos Olímpicos e da Venus Negra "sigilos planetários, podemos razoavelmente supor que existe uma ligação entre o selo de sigilos Ameth, encontrado do lado de fora do Selo, eo Venus Negra" glifos. E, de fato existe.

O Black Venus sigilo para Saturno, Belzazael, tem uma estranha semelhança com o sigilo para Gethog encontrado no Selo de Ameth. Ambos são um tanto original, sendo Saturno um dos espíritos Olímpicos cujo sigilo é mais difícil de encontrar entre as esculturas Camonica vale. É como se Dee encontrou o padrão básico de sigilo a Vênus Negra "mais potente do que suas outras influências, e por isso passou quase diretamente para o Selo de Ameth.

Figura 18 - Arranjo Planetária:

No entanto, a ligação mais importante entre a Vénus preto e o selo de Ameth se encontra na estrutura do seu arranjo dos planetas. Na Vênus Negra, como já brincou los acima, encontramos a ordem dada como a Lua, Marte, Júpiter, Saturno, Mercúrio, dom Este arranjo estranho parece arbitrário até que considerar os arranjos tradicionais de planetas em um hexagrama, e como isso pode mudar se Vênus, em vez de o sol estivesse no centro. Quebrando o hexagrama até dois triângulos nos ajuda a ver. A Lua e Vênus têm mudado, com os deslocados do Sol centro tomando a posição da lua. Isto ainda nos dá um triângulo com dois planetas exteriores, Marte e Júpiter, com um interior, o Sol, e outro triângulo com dois interior, a lua e mercúrio, e uma externa, Saturno, para manter o equilíbrio.

No Selo de Ameth, esta ordem é dada claramente: Lua, Saturno, Mercúrio em um triângulo, e Júpiter, Marte eo Sol, de outro. The Black arranjo Vênus é o mesmo, em termos de lugar sobre os triângulos, mas como menciona no texto que loop, o primeiro, a Lua, em seguida, quatro e cinco, Saturno e Mercúrio, então o número, seis, o Sol, e dois e três, Marte e Júpiter. Ambos os arranjos, embora listados de forma diferente no texto, seguem a mesma ordem.

E esta é a chave de consciência de que um aluno, o trabalho com o texto Vênus Negra, teria de ter a fim de abordar a sua iniciação. Sob todos os erros e armadilhas mágicas, não poderia ser encontrado tanto uma tradição antiga e uma nova maneira de olhar o mundo e sua relação com dimensões superiores. Isso por si só iria manter quase qualquer estudante no trabalho de cópia do manuscrito.

Sete
No verão de 1564, Dee tinha estabelecido em em Mortlake, onde ele permaneceria, com apenas pequenas ausências, até arrumando muito de sua casa e deixando com o Conde Laski e Kelley Edward para a Polónia em 1583. Coleta de quase frenética de Dee de textos hebraicos caiu para quase nada após a publicação da Mônada, e os poucos que ele fez obter quase não têm anotações. [43] Enquanto ele continuou a compra de livros por meio de agentes, como os Birkmans, é com nenhum de intensidade do processo de alguns anos. [44] O que quer que Dee estava procurando nessa viagem através do continente, ele encontrou, ou pensou que ele encontrou.

Alguma versão do "Chifre de Vénus" pode ter circulado entre a Família do Amor. Mas os familists ingleses, como o benandanti camponês, foram em sua maior parte não muito educado. Aqueles no tribunal de Elizabeth, especialmente entre a Yeoman da Guarda, e as conexões Familist aparentes cercam dois de seus pretendentes (Eric da Suécia eo duque de Anjou) e de outros aristocratas como Count Laski, apresentar um tipo diferente de enigma. Dee só parece uma ponte para os mais intelectuais familists Antuérpia como editora Plantin ou Birkmans thebookseller, a antiga religião popular "Familists", eo Familists Yeoman na corte de Elizabeth. [45]

O artigo anterior observou que o Pequeno Livro da data suposta Preto Vênus, de 1580, faz referência ao ano em que o que espera que os Familists tinha chegou ao fim. Também vimos como a data específica, 04 de junho de 1580, não se refere ao "Dia de Vênus", sexta-feira, mas a sábado. Mas há uma maneira de sair deste dilema: 04 de junho (Old Style) foi uma conjunção de Mercúrio / Vênus, e uma semana mais tarde, havia uma lua nova ou uma conjunção Sol / Lua. É bem possível que a data de 04 de junho, com seu aspecto de Vênus excelente, foi escolhido para copiar o ritual, o que seria, então, sepultado por uma semana até a próxima sexta-feira, 11 de junho, quando houve uma lua nova.

Estas datas correspondem às exigências do ritual, e eles sugerem fortemente que alguém, possivelmente, John Dee, na verdade, fez o ritual em 1580. Parece improvável que ele criou o ritual para a ocasião, o que exatamente seria a sua motivação para isso? É muito mais provável que, depois de ter encontrado um fragmento de um antigo ritual tão cedo quanto 1563 e de ter passado uma década e mais pensando que, Dee decidiu fazer uso do que lhe parecia um pedaço de uma tradição muito mais antiga. Se, como parece provável, Dee realmente realizou o ritual em 1580, então esta marca sua primeira excursão prática em magia cerimonial. Assim, a data pode se referir tanto a um ritual real bem como os Familists anos espera na Inglaterra começou a escurecer, ea Família de mastermind mais provável do Amor Inglês começa a procurar uma maior alavanca.

Seja qual for a causa, depois de 1581, a procura de Dee para insights cósmicos tornou-se tão frenética como tinha sido na década de 1560 mais cedo. E nenhuma surpresa, no início das conversas angélicas Dee, em uma sexta-feira no solstício de inverno de 1581, o grande anjo "Annael" apareceu.

Dee observou este ser como o Anjo de atendimento, que fez os segredos de Deus conhecidos para os homens, e também como "o Governador Geral chefe desta grande período." Em outras palavras, esta não é apenas o "Espírito Olímpico" Vênus ou mesmo o governador de Era de Vênus, mas o espírito angelical encarregado da nova era, que Dee pensava que era o último ciclo antes do Apocalipse e do arauto de uma Idade de Ouro. Dado que a identificação, não pode duvidar de que Dee pouco se lembrou do Amnael composto estar, cuja gematria revelou ser a soma de todo o conhecimento na tradição revelada, bem como o olímpico Príncipe Anael da Vênus Negra. "Erro ortográfico" Dee de ambos os nomes como "Annael" no seu registro escrito fornece outra ponta, especialmente para quem compreensão Teoremas XIII e XV da Mônada hieroglífica. [46]

Nessa primeira aparição, Annael também anunciou que Dee iria aprender muitas coisas no futuro "por aquele que é atribuído à pedra." Dentro de alguns meses de que pronunciamento, Edward Kelley chegou à porta de Dee e do grande trabalho de mudar o mundo através da magia angelical tinha começado.

É dentro deste contexto que devemos começar a colocar o Livro Consagrada Pouco Black Venus temos, na medida em que a data mais provável para a cópia mais antiga que survivd, ea única cópia encontrada na Inglaterra, foi em meados da década de 1580, em a altura de Dee e funcionamento angelicais de Kelley e após uma infusão de novas idéias sobre kaballah êxtase místico. Uma vez que esta cópia mais antiga foi provavelmente escrito em um país de língua alemã, as chances são de que voltou para a Inglaterra com alguém que sabia Dee e Kelley em Trebona.

Primeiro temos que perceber algo muito significativo sobre a coleta de Dee livro. Embora a coleta de Dee de gramáticas hebraicas parecia terminar na década de 1560, os eventos da década de 1580 provar que o seu interesse em kaballah místico não poderia ter terminado. O que ele estava lendo? Quem estava ele a falar?

Apesar de agora temos muitos excelentes análises de coleta de Dee biblioteca, nós, obviamente, não sei os manuscritos que ele teve que eram muito herética para a lista. Sabemos com certeza houve algum: como dito anteriormente, cópia manuscrita de Dee do Marciano Codex mostra-se em Kassel, mas nunca é listado em nenhum dos catálogos de suas bibliotecas. Nós suspeitamos que o mesmo silêncio sobre primeiros manuscritos alquímicos que ele pode ter copiado em Paris, e os ensinamentos que quer da mística kaballah Dee possuía.

Os Mecubales palavras no Mônada Hieroglífica acena para a posse de alguns textos como início de 1564, como Mecubales parece derivado do hebraico Mekubalim [47], uma palavra que aparece pelo menos tão cedo quanto o século 13 na redação do Rabbi Jacob ben Jacob ha-Cohen, cujo "Explicação das Cartas" e "Tratado sobre a emanação Esquerda" [48] teria sido certamente obras que atraíram a atenção de Dee. Suspeita-se mais Dee pode ter tido uma cópia de alguns dos ensinamentos do chamado "Círculo Iyyun [49], uma vez que as idéias expressas por alguns de seus trabalhos também pode quase perfeitamente combinar as idéias codificados dentro da Mônada hieroglífica. [50 ] Esta mesma palavra latina aparece Agripa, embora não sabemos a sua fonte. Podemos ter certeza, no entanto, que, como Dee derramado através de textos diferentes, ele teria notado diferentes palavras hebraicas latinizados usados ​​para se referir a Cabalistas.

Tradução de textos iniciais cabalísticos em Inglês está apenas começando, os manuscritos provenientes de bibliotecas, não só em Israel, mas tão longe como Florença, Paris, Munique e Varsóvia. Sabemos Dee visitou quase todas essas bibliotecas europeias e podia ler o hebraico, que ele não teria sido extremamente interessado nessas obras é inconcebível. Mas qualquer que seja copia Dee pode ter feito desses manuscritos antigos cabalísticas, e quais foram, ir como que não constam como seções de manuscritos alquímicos parisienses ele copiou. Se qualquer uma dessas obras mais heréticas foram deixados para trás quando os Dees e Kelleys deixadas para o continente, foram destruídos, mas é muito mais plausível que eles foram simplesmente embalado junto com o 600 mais outros livros que partiu Inglaterra com os Dees, Kelleys e Count Laski, quando partiu para a Polônia em 1583. [51]

Eles fizeram o seu caminho para Cracóvia, onde a partir de abril 1584 em iniciados os trabalhos angelicais onde o Nalvage anjo, através de Kelley, iria começar a ensinar a língua Dee angelical ou adâmica. Gravação de Dee dessas teclas angelicais ou chamadas torna-se o coração do corpus Enochian chamado. Enquanto eles evocado Nalvage embora a pedra de adivinhação, eles também viviam perto de uma das maiores coleções de Hermetica no leste da Europa, mas mais importante, eles estavam perto da cidade natal do rabino Judah Loew.

Assim como estudiosos modernos Dee Dee não pode provar já conheci Giordano Bruno, mas presumo que ele deve ter, porque eles estavam no mesmo lugar ao mesmo tempo e tinha interesses semelhantes, eles assumem a mesma coisa sobre o rabino Loew, mais tarde chamado de Maharal " de Praga. "As lendas do rabino Loew fazendo um Golem para defender os judeus de Praga sugerir, para aqueles a compreensão do simbolismo, [52] a criação de um Adão. Karen de Leon-Jones, em "John Dee e da Kaballah," conecta o conceito do golem explicitamente a pedra filosofal da Mônada Dee:

Em última análise, o propósito de especulação cabalística muito é imitar o ato da Criação de Adão e produzir um antropóide artificial, em forma de barro: o golem. No coração da Cabala certo é a explicação, interpretação e comentário sobre a Criação de uma finalidade prática. Já primeiros textos, como o Sefer Yetzirah eo Bahir revelar os segredos, não só o ato de Deus, mas sobre a forma como os dignos podem criar ou animar um golem. Nos primeiros textos judaicos as consoantes do alfabeto hebraico servir não apenas o veículo para a Criação primordial, mas para a criação do golem. Depois de formar uma figura de barro, o cabalista inscreve na testa três letras, (aleph, mem, tav) formam a palavra Emet (verdade). Depois disso, o alfabeto hebraico, em todas as suas permutações, incluindo as combinações vogal-consoante, é recitado, para animar o ser. O golem contém todas as permutações do alfabeto, como a Mônada. A diferença é que a própria criatura não pode criar, pois é estéril. Em essência, este é uma imitação do relato bíblico da criação de Adão. Assim, os teoremas são cabalística, porque eles também replicar o ato de criação, criando o símbolo das Monas. Isto é, o símbolo de Monas é uma espécie de golem, dentro da tradição cabalística, e também está ligado à tradição alquímica da criação do homúnculo. O adepto ou iniciado que reúne, através Teoremas de Dee, o hieróglifo das Monas pode animá-lo na forma dos cabalistas animando o golem: inscrevendo a Verdade (emet em hebraico), na figura. Emet aparece repetidas vezes em outros trabalhos de Dee, como De Heptarchia mystica como um selo e um nome divino, que reconecta o Hieroglyphica Monas com a magia de Dee anjo e outras especulações.
Emet, verdade, aparece no trabalho de Dee em outra forma na década de 1580: Emet angliziced é Ameth. A história do "círculo Iyyun de o golem pode ser uma das inspirações para a transformação em LVX Mônada Dee.
Dee e Kelley passando pela mesma Praga, que se torna o local do Maharal de Golem de decisão levanta a questão de como cada homem deve estar influenciando os outros dois, em vez de se ou não se encontraram
Então, enquanto não temos nenhum registro de Dee estudar a obra de Rabi Jacob ben Jacob ha-Cohen, nem a do círculo Iyyun ', nem qualquer registro de interação dele nem Edward Kelley com o rabino Loew, a preponderância da evidência sugere que provavelmente todos o que precede ocorreu. Dee, Kelley, e Loew todos estavam procurando a pedra filosofal. A partir de fevereiro de 1584, começamos a ver algumas entradas muito estranhas no diário de Dee sobre tardança com "os judeus", referências a um "Dr. Salomon de Praga, um judeu ", e Kelly dizendo Dee sobre comunicações sendo retransmitidas via" os judeus. "O pai Sacro Imperador Romano Rodolfo Maximiliano havia permitido que os judeus para retornar à Boêmia, e até o final do século vários milhares tinha.

Ou Dee ou Kelley ou ambos estavam viajando através da Europa Oriental enclaves judeus, e recebimento de mensagens através dos enclaves mesmos. Judah Loew foi certamente outro "intelligencer" mágico que queria transformar o mundo em um lugar seguro para o seu povo. Dentro dessa sopa de idéias, podemos agora acrescentar o elemento final que molda o Corno de ritual Vênus, a reunião da Shekinah como expressa através da kaballah mística de Isaac Luria, [54] provavelmente aprendeu através da interação Dee e Kelley com a irmandade em torno Judah Loew.

Para dar esse passo final, temos que entender algumas ideias-chave na cosmologia de Luria. Dentro Lurianic cosmologia, o golem está intrinsecamente ligada à "Shattering dos vasos." Como se retira Ein Sof e deixa um espaço vazio, que os poderes de julgamento deixado para trás em que o espaço de uma massa rudimentar da matéria, o golem. Como discípulo de Luria Vital descreve:

No início da criação, quando o Abençoado retirou sua presença ao redor em todas as direções, deixou um espaço vazio no meio, cercado por todos os lados pela luz de Ein Sof, vazio justamente no ponto mais central. . . A luz se retirou como água em uma lagoa deslocados por uma pedra. Quando uma pedra cai em uma lagoa, a água naquele ponto não desaparecer, mas que se funde com o resto [da água]. Assim, a luz convergida retirado para além dela. . . e manteve-se no meio de um vácuo. Em seguida, todos os impureza e densidade de julgamento na luz do Ein-Sof-que tinha [originalmente] sido como uma gota [mero] no. Mar-se medido e separou [de Ein Sof-] Descendente e coleta [si] para o espaço vazio, tornou-se transformado em uma massa amorfa [golem] fora da impureza e da densidade dos poderes de julgamento, como mencionado, cercado em todas as direções, acima e abaixo, e todos os quatro lados , à luz de Ein Sof. Fora dessa massa emanava dos quatro mundos: emanação, criação, formação e atualização. Pois em sua mais simples desejo de realizar a sua intenção, o Emanador retornou, enviando para a massa de um pequeno raio de luz retiradas no início. [54]
Como observa Lawrence plásticas, literatura Lurianic dá descrições precisas e volumoso das maneiras em que esta luz retorna. A mais importante delas "é a imagem antropomórfica de um deus macho que assume a forma e as características de um ser humano, um macroanthropos gnóstico, chamado Adam Qadmon". [55] Ten "vasos" forma da mistura de golem e luz, e continuar a penetrar as Quatro Mundos, mas tornam-se cada vez menos estável à medida que descem, e, eventualmente, todos os que estão abaixo Binah quebrar. [56]

Desde Luria (ou pelo menos, seu principal discípulo, Hayim Vital) descreve isso em "descaradamente" termos sexuais, não é surpresa que o restabelecimento ou a cura das embarcações, Tiqqun, é descrita em linguagem semelhante, em detalhes muito além do que nós ter espaço para explicar aqui. [57] No coração de remendar Luria do cosmos são cinco tipos diferentes de acoplamento superna classificados do mais para o menos perfeito ea hora da noite adequada a cada um.

Multa continua: "Tendo em conta que Luria concebido Tiqqun em termos significativamente sexualizadas, segue-se, logicamente, que ele considerava humanos relações sexuais como uma das formas mais imediatas e poderosa para se realizar remendar cósmico". [58] Enquanto um homem normal pode ter sexo com sua esposa em qualquer noite da semana, um homem sábio não pode. Lurianic kaballah inclui proíbe relações sexuais em todas as noites, exceto na sexta-feira, sábado véspera, que, mesmo assim, um não-judeu pode traduzir como "Sexta à noite ou sábado de manhã cedo", ou um esoterista poderia dizer, "no dia de Vênus ou Saturno. "

Regras de Luria para casados ​​relações sexuais de som para nós agora como nada mais do que instruções específicas para um ritual, porque, naturalmente, são eles: um ritual cuja intenção é a hieros gamos união de Tiphareth (o marido) com a esposa (Malkuth) por ambos focando a intenção de a Shekhinah enquanto unidos uns com os outros. A cabeça do casal deve enfrentar a leste, correspondendo a da'at; pés oeste, correspondendo a Yesod; direita sul, Chesed, e mão esquerda norte, Geburah;. Tudo o que corresponde à posição de Adão Qadmon quando foi criado [59] Assim, a meta mística do Zohar, a união de Tiphareth e Malkuth simbolizado pelo processo de preparação do Shekinah como se prepara uma noiva para seu noivo, torna-se um ensinamento, explícita prática.

Sem entrar em detalhes sobre o regime de Luria sugeriu para seus discípulos, pois, de fato, não temos maneira de saber se qualquer coisa que específica pode ter sido transmitido para a comunidade em torno de Judah Loew, podemos ver como experiencial de Luria, kaballah prática teria disparado pensamento de Dee . Crença de Luria em Tiqqun não é, afinal, tão diferente do compromisso de Dee para a transformação de uma era: a de que alguns indivíduos dedicados, através da purificação, o amor, ea intenção certa, poderia mudar o mundo. Enquanto Dee parece ter mapeado em geometrias sofisticadas, Luria dá instruções explícitas para o Rito no centro.

Ambos os homens acreditavam que estavam vivendo no fim de uma era, e os dois homens queriam dirigir as energias turbulentas de seu tempo para metempychosis, ou redenção, em vez da destruição que viu aumentar a sua volta. Em caso de Dee, pelo tempo de o projecto mais provável para esta versão do "Corno de Vênus", entradas de seu diário mostram cada vez menos das conversas angélicas e mais e mais de um ano de trabalho não temos nenhum registro de fora muitos entradas do diário curiosos sobre o casamento, infame Dee e Kelley troca de esposas pacto e mais de um ano de notações sexuais antes de qualquer que seja o trabalho é, está concluída.

Os dias e as datas de entradas diferentes parece bastante significativo. Em 30 de abril de 1586, quando ainda em Praga, Dee através de Kelley participa de uma conversa muito incomum angélico onde lhe é dito "no ano de 88, vou enviar o meu visitação e do fim do mundo pode ser conhecido". [60] A possível referência a 1588, hoje mais conhecido como a data da derrota da Armada Espanhola, teria então chamou a atenção de Dee, então, como a data mais-previsto do fim do mundo. [61] O ser angelical diz "seis ações você deve ter: o sétimo é o sábado do Senhor ".

Quais eram essas ações? Nós não sabemos, mas o terceiro deles ocorre em 4 de abril de 1587, mesma data em que na parte superior da cópia manuscrita do Marciano Codex que Dee, em algum momento deu ao Landrave de Hessen. [62] Até este ponto, Dee raramente nos disse que o dia da semana, juntamente com a data, agora, para várias entradas significativas, ele faz.

Por exemplo, em "17 de abril 1587 na manhã de sexta," Dee escrevem que Kelley lê estas palavras na Pedra, escrito sobre "uma mesa de mármore branco ou livro":

Bem-aventurada aquela que, por causa do pecado, para mim, restaura a casa que está em colapso e torna toda para os homens.
Eu sou quem eu sou, quem deu e dará a você uma lei: a partir do qual a paz perpétua e felicidade vêm aos mortais.
Você vai logo ver e ouvir tudo. Se nesse meio tempo. . .
. . . suas almas, se uniram para melhor. . .
sujeitará-se a mim ea minha em forma de filhos. Todos os pecados cometidos em mim estão perdoados. Ele, que enlouquece na minha conta, que ele seja sábio. Aquele que comete adultério por causa de mim, que ele seja abençoado por toda a eternidade e receber o prêmio celeste. [63]

Quer ou não o "Livro" Kelley viu foi o livro "real" de Vênus ou algo assim, não é difícil de imaginar, dado o que acontece em seguida, que Dee deve ter tomado como tal.

No dia seguinte, sábado, 18 de abril, é a conversa angelical onde lhes é dito para "compartilhar em comum" suas esposas. [64] Quando protestos Kelley, Dee insiste. Muitos têm ponto a este incidente como o principal exemplo de credulidade de Dee, e pode muito bem ter sido, mas considerar: se John Dee encontrado, revista, realizada (talvez em 1580), e novamente revisto o "Corno de Vênus", como um apocalíptico tântrico Rite, o que ele teria pensado exceto que agora ele estava sendo dito a coisa real? Se o real John Dee foi o autor do "Corno de Vênus" ritual, e se ele acreditava em sua própria magia, ele teria pouca escolha senão confiar nas palavras escritas no "Livro" Scryed por Edward Kelley no Dia da Vênus.

A sexta-feira seguinte, 24 de abril, Kelley vê uma grande chama na pedra e depois diz Dee seu corpo tinha-o como um "calor ardente." Se um aluno avançado queria levar o "Corno de Vênus" mau aconselhamento Rite sobre a realização do Selo de Anael sobre a chama como uma metáfora para poderosamente trazendo Anael em um corpo para intensificar a evocação, ou para queimar as impurezas, ou ambos, você pode ter aqui uma descrição do mesmo. O Dia de Vênus, ou se você preferir, sábado véspera, parece terminar conjugais, pois vemos o Dee símbolo usado para gravar as relações sexuais.

Não é bem um mês depois, na sexta-feira 22 de maio, os Dees e Kelleys iniciar seu trabalho. Sexta-feira, Dee relata encontrar sua pedra faltando sob o travesseiro de sua esposa. No dia seguinte, sábado, um grande homem em um cavalo aparece na pedra de adivinhação e perguntas sobre os dois homens na noite anterior. As perguntas parecem um pouco fora de sintonia com o descrito tanto Rito e do pacto de todas as quatro pessoas já assinaram, mas lembre-se, não estamos discutindo se deve ou não o "Livro" Kelley viu na Pedra era o Livro de Vênus, só que Dee teria pensado que era. Entradas de Dee diário mostrar os eventos interpessoais se tornando mais e mais complicado por 1588. Suspeita-se que, se mais tarde ele pensou que o livro foi visto por Kelley a coisa real ou pensei que ele tinha sido enganado, ele não tiveram uma cópia de um manuscrito estudante falho cheio de blinds após Maio de 1587. Demais parece estar acontecendo muito rápido.

Então onde é que a nossa cópia mais antiga vem? Algures entre abril de 1586 e maio 1587 um dos alunos de Dee provavelmente copiado O Livro Consagrada Pouco Black Venus e pediu bastante as perguntas certas para saber o que a intenção por trás um ritual tão seria e quando se poderia realmente "fazer" isso.

Podemos perceber isso no diário em 19 de dezembro de 1586. Dee escreve: "No dia 19 (pelo novo calendário), para agradar o Mestre Edward Garland (que foi enviado como um mensageiro do imperador da Muscovia para perguntar-me para vir com ele, etc,), e seu irmão Francisco , EK fez uma demonstração pública da pedra filosofal. . . "[65].

Até agora não ficamos surpresos ao saber que 19 de dezembro era uma sexta-feira. Uma pergunta que estes "Garland" irmãos eram, e se um deles foi quem trouxe o manuscrito de volta para a Inglaterra. Eles aparecem no diário ao longo do ano seguinte, na companhia de Sir Edward Dyer. Francis Garland visita Dee mais tarde, na Inglaterra, e seu nome foi encontrado em manuscritos na Dinamarca associado com Edward Kelley. [66]

Um dos alunos de Dee estudantes trouxe o manuscrito de volta para a Inglaterra, e que o aluno parece ter sido parte de um mesmo círculo Frances Yates descreve no Iluminismo Rosacruz, que agora sabemos que provavelmente incluía o autor do Calendário Mágico. O que poderia ter sido ensinado estudante?

Talvez uma lição de geometria sagrada da Mônada, ou talvez uma lição sobre kaballah êxtase e alquimia em êxtase em um. Se o aluno copiou o manuscrito após as misteriosas "Ações Seis" começou em 1586, mas antes da queda interpessoal fora que parece acelerar após o pacto Dees e Kelleys de compartilhar tudo em união uns com os outros, em seguida, Francis e Edward Garland aparecer em Trebona no tempo mais certo. É tentador imaginar uma ou ambas as perguntas certas, mostrando o conhecimento certo da Mônada hieroglífica, e aprender sobre como criar um espaço mágico Dee acreditava que poderia literalmente mudar o mundo. É ainda mais tentador especular sobre a intenção de o rito sem nome, no centro.

O propósito subjacente do ritual era para codificar informações: dar um profundo entendimento de como, através da gnose adequada e experiência de hieros gamos, pode-se evocar energias poderosas o suficiente para transformar a Idade. Ao estudar e fazer perguntas suficientes sobre o ritual, eo papel de Vênus / "Anael" como bandeira da Idade, a intenção entra em foco: dirigir as energias do que Dee e outros a viram como um apocalipse vindo para essas coisas associados Vênus, isto é, o amor, a compaixão, a sexualidade, criatividade e união com o divino.

É que a união extática que traz o "Tesouro" Dee fala na abertura do rito. A união e integração do masculino e do feminino é o que faz a gnose possível, o que nos tempos antigos não eram simplesmente idéias intelectuais, mas uma experiência muito física, uma epifania que formou uma ponte para o divino. Se gnose tal indivíduo poderia transformar chumbo em ouro, a gnose coletivo de alguns podem transformar a humanidade eo mundo.

A maioria dos que têm tentado em tudo para entender o que os Dees e Kelleys estavam tentando realizar na Trebona gastar muito tempo medir as conseqüências óbvias interpessoal, e pouco tempo percebendo a intenção transpessoal. Ainda no tempo do Livro Consagrada Pouco Black Venus conseguiu voltar para a Inglaterra com um dos alunos-mais de Dee provável, Francis ou Garland Edward ou Thomas Kelley-lo não seria perdido em que o aluno que 1588, a data mais predito por apocalíptico pensadores como o "fim do mundo", foi a data da derrota da Armada espanhola. Seria provavelmente também não se perder nelas que tal "vitória" enorme ainda veio com muito sofrimento.

Hoje, o Livro Consagrada da Black Venus é de menor valor como um rito próprio, mas extremamente valioso para que ele nos diz sobre as idéias de desenvolvimento de Dee, que textos que ele deve ter encontrado, mas não listados em seu catálogo de biblioteca, e mais importante, o que sugere-nos sobre a estrutura e intenção por trás do episódio mais incompreendido em sua vida. Como um guia, o livro Consagrada Pouco Black Venus permanece abstrata até que se possa entender como as geometrias ele escreveu 20 anos antes de se conectar com os do Selo de Ameth. A informação codificada diz menos sobre uma cerimônia que sobre o que os "amantes" precisa fazer para realizar seu próprio trabalho. Na medida em que a intenção de que o ritual, a maioria simplesmente, foi evocar tanto amor e compaixão quanto possível em um mundo dilacerado por derramamento de sangue, talvez seja algo que ainda deve estudar hoje.

Então se você leu todo a explanação e se interessou um pouquinho sobre assunto e antes de me pedir mais informações consulte os livros a baixo blz.....

bibliografia:
Anati, E 1976, Evolution and Style in Camunian Rock Art, Centro camuno di studi preistorici, Capo di Ponte.
Anati, E 1964, Camonica Valley; A Depiction of Village Life in the Alps from Neolothic Times to theBbirth of Christ, as Revealed by Thousands of Newly Found Rock Carvings, Uniform Title: Civilization du Val Camonica. English, J. Cape, London, England.
Backlund, J. 2006, “In the Footsteps of Edward Kelley: Some Manuscript References in the Royal Library in Copenhagen Concerning an Alchemical Circle Around John Dee and Edward Kelley.” John Dee: Interdisciplinary Studies in English Renaissance Thought. S. Clucas, ed. Springer, Dordrecht, the Netherlands.
Berthelot, M 1888, Collection des Anciens Alchimistes Grecs, G. Steinheil, Paris, France.
Berthelot, M 1885, Les Origines de l'Alchimie, G. Steinheil, Paris, France.
Betz, HD, 1986, The Greek Magical Papyri in Translation, Including the Demotic Spells, University of Chicago Press, Chicago, IL.
Bevan, L 2006, Worshippers and Qarriors : Reconstructing Gender and Gender Relations in the Prehistoric Rock art of Naquane National Park, Valcamonica, Brecia, Northern Italy, Archeopress, Oxford, England.
Brann, NL 1999, Trithemius and Magical Theology : a Chapter in the Controversy Over Occult Studies in Early Modern Europe, State University of New York Press, Albany, NY.
Bridges, V 2006, "Angel Magick, Dee's Rosie Crucian Secrets, and the Byrom Collection", Journal of the Western Mystery Tradition, vol. 2, no. 11. <http://www.jwmt.org/v2n11/angel.html>.
Burns, TM 2007, “The Little Book of Black Venus and the Three-Fold Transformation of Hermetic Astrology”, Journal of the Western Mystery Tradition, vol. 2, no. 12. <http://www.jwmt.org/v2n12/dee_hermetic.html>.
Burns, TM & Moore, JA 2007, "The Hieroglyphic Monad of John Dee Theorems I-XVII: A Guide to the Outer Mysteries", Journal of the Western Mystery Tradition, vol. 2, no. 13, <http://www.jwmt.org/v2n13/sign.html>.
Calder, IRF 1952, John Dee Studied as an English Neoplatonist, The John Dee Society, <http://www.johndee.org/calder/html/TOC.html>.
Crowley, A 1997, Magick: Liber ABA, Book Four, Parts I-IV, 2nd rev. edn, Sam Weiser, York Beach, ME.
Dan, J & Kiener, RC 1986, The Early Kabbalah, Paulist Press, NY.
De Leon-Jones, K. 2006. “John Dee and the Kabbalah.” John Dee: Interdisciplinary Studies in English Renaissance Thought. S. Clucas, ed. Springer, Dordrecht, the Netherlands.
Dee, J, Burns, T& Turner, N 2007, "The Little Book of Black Venus", Journal of the Western Mystery Tradition, vol. 2, no. 12, <http://www.jwmt.org/v2n12/venus.html>.
Dee, J 1564 (Latin), 1964 (English), CH Josten (trans and commentary),“A translation of John Dee’s Monas Hieroglyphica.” Ambix 12, 84-221.
Dee, J 2000, The Hieroglyphic Monad, JW Hamilton-Jones (trans and commentary), Samuel Weiser, York Beach, ME.
Dee, J 1982, Die Monas-Hieroglyphe, A Klein, (trans and commentary). Ansata-Verlag, Interlaken, Switzerland.
Dee, J.; Shumaker, W. 1978 (trans), Propaedeumata Aphoristica: John Dee on Astronomy, University of California Press, Berkeley CA..
Dee, J. Josten, C.H. 1964, A Translation of John Dee's "Monas Hieroglyphica" (Antwerp, 1564), Heffer, Cambridge, England.
Dee, J; Meier, JM 1990, Das Büchlein der Venus, Holos, Bonn.
Fenton, E, ed. 1998, John Dee’s Diaries. Day Books, Oxfordshire, England.
Fine, L 2003, Physician of the Soul, Healer of the Cosmos : Isaac Luria and his Kabbalistic Fellowship, Stanford University Press, Stanford, CA.
French, PJ 1972, John Dee: The World of an Elizabethan Magus, Routledge and Kegan Paul, London, England.
Ginzburg, C 1991, Ecstasies : Deciphering the Witches' Sabbath, 1st American edn, Pantheon Books, NY.
Ginzburg, C. 1983, The Night Battles : Witchcraft & Agrarian Cults in the Sixteenth & Seventeenth Centuries, Johns Hopkins University Press, Baltimore, MD.
Goebel, J 1904. “The etymology of Mephistopheles.” Transactions and Proceedings of the American Philological Association, Vol. 35. pp. 148-156.
Hermes; Scott, W & Ferguson, AS 1985, Hermetica : The Ancient Greek and Latin Writings Which Contain Religious or Philosophic Teachings Ascribed to Hermes Trismegistus, 1st Shambhala edn, Shambala; Distributed in the U.S. by Random House, Boston, MA.
Küntz, D. 1996, The Complete Golden Dawn Cipher Manuscript, 1st edn, Holmes Pub. Group, Edmonds, WA.
Legard, P. 2007. Personal communication.
Leland, CG 1990, Aradia, or, The Gospel of the Witches, Phoenix Pub, Custer, WA.
McLean, A 1994, The Magical Calendar : A Synthesis of Magical Symbolism From the Seventeenth Century Renaissance of Medieval Occultism, Phanes Press, Grand Rapids, MI.
McLean, A 1990, A Treatise on Angel Magic: Being a Complete Transcription of Ms. Harley 6482 in the British Library, Phanes Press, Grand Rapids, MI.
Morrow, G. (trans and commentary) 1935, Studies in Platonic Epistles, University of Illinois Press, Urbana, IL.
Record, R. 1969, The Grounde of Artes, Theatrum Orbis Terrarum; Da Capo Press, Amsterdam, Netherlands.
Roberts, RJ, Watson, AG 1990, John Dee's Library Catalogue, Bibliographical Society, London, England.
Rose, PL 1972, "Commandino, John Dee, and the De superficierum Divisionibus of Machometus Bagdedinus", Isis, vol. 63, no. 1, pp. 83-93.
Scholem, GG 1965, On the Kabbalah and its Symbolism, Schocken Books, NY.
Shumaker, W (trans and commentary) 1978, John Dee on astronomy : 'Propaedeumata Aphoristica' (1558 and 1568), Latin and English, University of California Press, Berkeley, CA.
Taylor, FS 1930, "A Survey of Greek Alchemy", The Journal of Hellenic Studies, vol. 50, no. 1, pp. 109-139.
Trithemius, J 1982, The Steganographia of Johannes Trithemius, Magnum Opus Hermetic Sourceworks, Edinburgh, Scotland.
Trithemius, JC, Iacobus 1545, Ioan. Tritemij Abbatis Spanheymenn. De septem secundeis, id est, intelligentijs, siue spiritibus orbes post deum mouentibus, reconditissimae scientiae & eruditionis libellus : multa scituque digna mira breuitate in se conplectens arcana, Imperatori Caesari diuo Maximiliano Aug. Pio, sapienti dicatus, Apud Cyriacum Iacobum, Place: Germany; Frankfurt am Main, Impressum Francoorti.
Turner, N & Burns, T 2007, "A Translation of Theorems I-XVII of John Dee's Monas Hieroglyphica", Journal of the Western Mystery Tradition, vol. 2, no. 13. <http://www.jwmt.org/v2n13/partial.html>.
Voet, LV, Jenny 1980-1983, The Plantin Press (1555-1589) : A Bibliography of the Works Printed and Published by Christopher Plantin at Antwerp and Leiden, Van Hoeve, Amsterdam, Netherlands.
von Franz, M 1980, Alchemy : An Introduction to the Symbolism and the Psychology, Inner City Books, Toronto, Canada.
Weidner, J & Bridges, V 2003, The Mysteries of the Great cross of Hendaye : Alchemy and the End of Time, Destiny Books, Rochester, VT.
Woolley, B 2001, The Queen's Conjurer : The Science and Magic of Dr. John Dee, Adviser to Queen Elizabeth I, 1st edn, Henry Holt, NY.
Yates, FA 2002, The Rosicrucian Enlightenment, Routledge, NY.

Notas:

[1] Parte dos estudiosos modernos e dificuldade esoteristas ter tido com a compreensão do Livro Consagrada Pouco Black Venus é que muito poucos que olhou para ele estudou a geometria sagrada da Mônada hieroglífica, cuja primeira teoremas 18 são axiomáticas para uma compreensão de como os selos no Corno de Vênus pode funcionar. Para algumas sugestões sobre como abordar estes teoremas, ver Burns e Moore, esta questão.

[2] Ver Taylor 1930. Em sua pesquisa de textos alquímicos gregos, ele observa que os primeiros três manuscritos conhecidos (ao contrário de papiros) são o de Veneza (Marciano 299) a partir do século X ou XI, e de Paris (Paris 2325) a partir do século XIII, e outra de Paris (Paris 2327) do século XV. Como veremos, Dee pode ter tido acesso a todos os três deles. Os autores destes textos alquímicos (cujos nomes são muitas vezes pseudônimos) escreveu em datas não mais tarde "do que a segunda metade do terceiro século da era cristã, nem mais cedo do que o primeiro século" e incluir Demócrito, Jâmblico, Ostanes, Cleópatra, Isis, Maria, e Hermes (p. 113). Pode-se observar que o namoro de Taylor de autores dos manuscritos mais antigos coincide com a data de Leiden e papiros Estocolmo, adquirida pelo Jean Chevalier d'Anastasi, um sueco vice-cônsul no Egito no início de 1800. Estes terceiro grego do século papiros mágicos provavelmente teve origem em um túmulo ou biblioteca templo em Tebas (para uma análise mais completa, ver Betz 1996 xli-LVIII) e pode representar a mesma corrente cujos ensinamentos foram parcialmente preservadas nos manuscritos de Veneza e Paris.

[3] Ver Weidner e Pontes 2003, especialmente o capítulo seis, "Graal Cavaleiros, Perfecti, e os Sábios Iluminados da Provence." Ver também Burns, este problema, notas 15-20.

[4] Leitch (2005, p 380.): "Se os grimórios realmente merecem qualquer parte de sua reputação de duro tratamento de espíritos, é devido aos constrangimentos e maldições usados ​​pelo Goetia e Rei Salomão para conter os rebeldes espíritos. Estas práticas são adotadas diretamente de exorcismos medievais, em que um padre iria usar tormento para conduzir um espírito obstinado do corpo de uma vítima. As técnicas Grimoire são reminiscentes de alguns dos processos do tipo vodu utilizados nas artes mais escuras da imagem magick. . . O espírito ou nome sigilo poderiam ser ameaçados com a chama, ou selado em uma caixa de gases nocivos. "Uso de imagens em evocações goéticas, aliás, é muito diferente de como Euclideans ou Pitagóricos olhou para imagens geométricas como uma forma de evocar o daemon a mente do aluno. A linguagem da parte de introdução Black Venus, especialmente a nota de que os espíritos podem ser forçados a vir ", por meio de conjurings poderosos ou correntes fortes, mas não sem grande esforço e circunstâncias abundantes, prolixo, e difícil", parece dissuadir o leitor deste tipo de magia, mesmo quando a forma parece incentivá-lo. Por fim, note que mesmo na magia goetic, o Selo realizada sobre a chama deve ser a do espírito desobediente, não Anael!

[5] Ibid.

[6] Crowley (1997, p 147.): "Para" chamar "é para" chamar ", assim como para" evocar "é" suscitar ". Esta é a diferença essencial entre os dois ramos da Magia. Na invocação, as inundações macrocosmo da consciência. Na evocação, o mágico, que se tornou o macrocosmo, cria um microcosmo ".

[7] Leitch op. cit. pp 397-399. Como exemplo, ele observa que em Magia Moderna, Donald Kraig dá instruções para fazer um espelho mágico para evocação Goetic.

[8] Ver discussão adicional em Burns, esta questão; também ver Meier (1990, pp 135-136, 144-145).

[9] Ver discussão adicional em Burns, esta questão.

[10] Para adicionar a esta mistura fascinante, Trithemius, em De Septem Secundeis, um trabalho sobre inteligências planetárias, enumera "sete causas secundárias", que parecem similares aos Espíritos Olímpicos, e atribui a Vênus Anael. Até agora não temos nenhuma maneira de saber se já leu Dee De Septem Secundeis, mas se por acaso ele copiou quando ele copiou Stenographia (ver nota 13 abaixo), ele gostaria de acrescentar outra camada fascinante para a história. De Septem Secundeis foi publicado em Frankfurt em 1545 e pelo Birkmans Familist em 1567.

[11] Ver a discussão em Woolley (2001, pp 64-72).

[12] Para uma excelente discussão histórica desses argumentos, ver Brann (1999).

[13] Em Stenographia, Trithemius descreve como enviar mensagens por recitar encantamentos longas e aparentemente ininteligível que convocam um espírito, que levará a mensagem para o destinatário, que deve recitar um outro encantamento, em seguida, a mensagem é revelada. Uma vez que esses encantamentos não são diferentes do Call of Spirits in Black Venus, alguns têm tentado, sem sucesso, a olhar para os "nomes bárbaros" no Corno de Vênus como um exemplo de Trithemian criptografia. No entanto, esta se aproximando como criptografia "simples" desconecta-lo do tipo de "intelligencing" Dee teria sido interessado em como o francês (1972) observa, "o objetivo Trithemius neste trabalho é uma forma de comunicação telepática que seria alcançado através da veiculação do espírito humano, com a marca do pensamento do remetente, embora o ar para um destinatário cujo retrato do remetente contempla. A magia é implicitamente um meio de conhecer tudo o que está acontecendo no mundo, e que o anjo de magia subjacente à Stenographia teria sido muito mais significativa do que a Dee preocupação fora do tratado com criptografia "(p. 37).

[14] Dee qtd. por Woolley op.cit. p. 66.

[15] Para uma excelente história da publicação Plantin, ver Voet 1983. Na conexão de prensas Antuérpia para Rosacruzes iniciais, ver Yates (1972, 2002), especialmente o capítulo seis, "A Editora Palatinado:. Johann Theodore de Bry e da publicação das obras de Robert Fludd e Maier Michael" Em Plantin como uma impressora Familist , consulte Moss 1981.

[16] Josten 1964 p. 153. Francês op. cit. p. 36 notas este é o lugar mesmo Dee ficou ao copiar Stenographia.

[17] Platão, trad. por Morrow em 1935 _Studies no pp 206-207 Epistles_ platônica. 1935 Trithemius, como QTd. em Calder em seu famoso estudo de 1952 de John Dee como um neoplatônico, cap. VI.

[18] Em sua tradução de 1978 da Aphoristica Propaedeumata, Shumacher observa diferenças entre os 1558 e 1568 textos. Alguns dos muitos exemplos possíveis de palavras ou seções adicionado por 1568: XXIIII, "Pedra Filosofal"; XLV (note a conexão com LVX) mudanças "em óptica e astrologia" para "em óptica, magia, astrologia e," LXXIII acrescenta em duas inferências de comprimento, o segundo dos quais conclui: "Por exemplo, eu sugiro a você o sol, o ouro, e os corações do homem como objetos a serem considerados por meio das leis de magia anatômica"; LXXVII acrescenta em "sete vezes" em hebraico, como parte do ditado "O que é sete vezes corretamente separados também é sete vezes corretamente unidas para a realização de pedra que filósofo mais famoso."

[19] Para uma visão geral da Física em Propaedeumata Aphoristica, ver ibidem Shumaker. pp 60-73.

[20] Dee revista e ampliada texto Recorde após a morte Recorde, e, com o professor John Southwark Mellis mais uma edição publicada em 1582; ​​Francesa (. Op. cit pp 164-164), diz Recorde texto era "o texto padrão da média aritmética período. "

[21] Roberts & Watson (1990), em sua inestimável "fundo biográfico de Dee Coleta até 1582." Eles observam que ele também está comprando partes da Bíblia que "sem dúvida poderia ser usado para a prática da leitura (p. 9).

[22] Rose 1972.

[23] Burns e Moore, esta questão, as notas 47, 49.

[24] Roberts & Watson op. cit. notar que "A reconstrução dos movimentos de Dee esses próximos anos continua a depender muito anotações em livros" (p. 9). Eles seguem sua trilha a partir do encontro com Gessner, a Pádua, Veneza, em seguida, Urbino.

[25] Artigo Dee quinta e última no Súplica para "a recuperação e preservação dos antigos escritores e Monumentos '(1556) foi a de enviar o" suplicante "[Dee] para livros adquirir e monumentos" que estão nas notablest librarys além do mar (como em Vaticana em Roma, S. Marci em Veneza, e semelhantes, a Bononia, Florença, Viena, etc "(em Roberts & Watson, ibid. pp. 194-195).

[26] Uma cópia do Codex no Estado de biblioteca de Hessen em Kassel é um dom de Dee para o Landgrave de Hessen, e Klein (1982) sugere que os marginalia explicativas, escrito por Dee em alemão e incluindo notas como "Ostanes" ou "Maria", (pp. 18-19) implica que leu o trabalho com muito cuidado, ou talvez foi ensiná-lo a outra pessoa. Ela acrescenta que parece claro Goethe estava familiarizado com marginalia Dee neste códice (p. 38). Enquanto o manuscrito tem o nome de Dee e uma referência para sua biblioteca em Mortlake, na primeira página, ele não lista como um manuscrito em seu catálogo de biblioteca 1583, e é inconcebível que ele teria dado fora sua única cópia. Roberts & Watson (ibid., p. 161) lista este trabalho como Corpus Hermeticum e nota que ele aparece na biblioteca de Kassel, com uma primeira edição da Mônada hieroglífica. A data indicada é 04 de abril de 1567 e abril de Dee 4, 1587 entrada do diário é bastante significativa (ver parte sete deste artigo), mas desde que Dee e Kelley passar por esta área em 1587, uma pergunta se este é um erro de transcrição.

[27] Os dois lugares mais plausíveis para Dee ter encontrado este fragmento foram Paris ou Veneza, os locais dos mais antigos manuscritos alquímicos três (ver nota 2). Berthelot, que traduz dois diferentes recensões parisienses deste fragmento em sua enorme coleção des Anciens Alchimistes Grecs (1887), observa que, fora dos manuscritos gregos próprios, as referências a Amnael parecem vir em trabalho hermético, principalmente na França e Alemanha. Na verdade, a "Ísis ao seu filho Hórus" diálogo no mais conhecido Inglês Hermética, editado por Walter Scott (1924, 1985), não faz menção de Amnael. Nós sugerimos que as referências alemãs à Amnael provavelmente veio a partir da cópia do Marciano Codex Dee deu ao Landgrave de Hessen.

[28] Weidner e Pontes op. cit. pp 44-45. A única análise Inglês-língua estamos cientes é uma tradução, de 1959 von Franz palestras sobre alquimia e psicologia junguiana, 1980 pp 39-52. Em contraste, uma multiplicidade de análises alemãs existir.

[29] Ver nota 10 acima. Dee provavelmente esperam nomes usados ​​por Trithemius ligados a idades planetárias teria significados ocultos; Dee pode até aludir a "Amnael" escondido atrás de "Anael" no Teorema XIII da Mônada hieroglífica (ver Burns e Moore, nesta edição).

[30] A maioria do que segue nas seções quatro a seis são adaptados a partir de manuscrito ponte Vincent, de 1989, A História da Bruxaria.

[31] Disponível: <http://www.esotericarchives.com/solomon/arbatel.htm>.

[32] McLean 1989, pp 9-17.

[33] As pontes 2006.

[34] O manuscrito cifrado Golden Dawn contém referências para ambos os comprimidos Enochian e, no fólio 28, os Espíritos Olímpicos; ". Anael" Mathers, como ele adaptou a cifra Trithemian, decidiu alterar a referência para Espíritos Olímpicos para ver discussão em Burns, cit. ofp e Kuntz, 1996.

[35] Bevan 2006; Laeng 1964.

[36] Ver discussão em Bevan ibid. pp 11-18. Emmanuel Anati, o mais significativo dos anos 1960 pesquisadores, fez escrever um livro popular disponível em tradução Inglês (1964) como Camonica Valley.

[37] Os dois discussões mais completas são Evolução Anati de 1976 e estilo em Camunian arte rupestre: uma investigação sobre a formação da civilização europeia, e dissertação Bevan 2006, adoradores e guerreiros: a reconstrução de gênero e relações de gênero na arte rupestre pré-histórica de Naquane Nacional Park, Valcomonica, Brecia, norte da Itália, que revê Anati e pesquisas de diferentes desde então.

[38] Graças a Phil Legard por apontar as influências Paracelso ele está explorando em um trabalho em andamento.

[39] Goebel 1904. Encontra-se uma referência muito mais codificado para a história Diana-Lúcifer em Hieroglyphic Dee Mônada Teorema XIII (ver Burns e Moore, nesta edição).

[40] Para uma descrição detalhada, ver Battles Ginzburg 1985 noite. Ginsberg não só fornece registros detalhados dos inquisidores, mas mostra como o questionamento calculado da benendanti camponês, um grupo de "antiwitches", que disseram aos seus interlocutores sobre batalhas rituais contra bruxos e bruxas para manter suas famílias e as colheitas de danos, lentamente moldar e mudar as histórias benendanti sobre si mesmos em seu oposto. Para os moradores e uns aos outros, o benandanti são "bons cristãos" e, mais tarde, "bruxas boas" que lutam "bruxas más"; à mente nivelamento do Inquisidor, todos são simplesmente Além de sua discussão sobre a "bruxas". julgamento, ver especialmente o capítulo dois, "A Procissão dos Mortos".

[41] Isto é por sua vez laços nos mais uma vez para um terço do quarto século actual grego alquímico que, por um lado, podem ter encontrado uma próspera cultura pagã para esconder no interior, e, por outro lado, pode ter sido em si um produto de um versão anterior dessa mesma cultura. Nossa senhora da Metro funde perfeitamente com as muitas outras deusas escuras desta corrente:. Tão Betz, op.cit, diz do terceiro século egípcio-grego-hebraico-babilônica sincretismo (XLVI-XLVII): "Devemos deixar claro , no entanto, que este sincretismo é mais do que uma miscelânea de itens heterogéneas. É, com efeito, um novo [na verdade muito antiga!] Religião em geral, exibindo unificadas atitudes e crenças religiosas. Como exemplo, pode-se mencionar o enorme papel dos deuses e deusas do submundo. O papel dessas divindades não era novo para a religião egípcia ou, em certa medida, a antiga religião grega, mas é característica do sincretismo helenístico dos papiros grego mágico que o submundo e suas divindades se tornou uma de suas preocupações mais importantes. A deusa Hécate, idêntico com Perséfone, Selene, Ártemis, eo velho [Suméria] deusa Ereshigal, é uma das divindades mais invocados nos papiros. Através da influência Egyptianizing de Osíris, Isis, e sua empresa, outros deuses, como Hermes, Afrodite, e até mesmo o deus judaico Iao, têm, em muitos aspectos se tornam divindades do submundo ".

[42] Ver a discussão em Burns, esta questão.

[43] Roberts & Watson op. cit. p. 11.

[44] Por exemplo, Roberts & Watson observar grande número de edições de Paracelso adquiridos através de 1562, em seguida, Dee apenas acrescenta um ou dois por ano até 1583.

[45] Ver Burns, este problema, especialmente "Familists inglês e continental, ou a família do Amor".

[46] Ver a discussão em Burns e Moore, esta questão.

[47] Esta não é a única, nem a mais comum forma, para se referir a um estudioso da Cabala, e em outros lugares, como no título do único trabalho conhecido de Dee em kaballah ou em sua carta ao Rei Maximiliano acompanha a Mônada, Dee usa a palavra latina que tínhamos de traduzir mais diretamente como "kaballah" ou "kaballist." Assim, seu uso de "Mecubalist" é, certamente, apontando para um particular "escola".

[48] ​​Dan 1986 pp 165-181.

[49] Para um comentário sobre o Círculo Iyyun "e tradução de alguns de seus ensinamentos mais centrais, ver Dan 26-31, 43-56. Ele observa que as primeiras obras do círculo Iyyun '"pode ​​ser considerado como o primeiro corpus da literatura mística judaica medieval. Os autores foram profundamente influenciados por idéias neoplatônicas e terminologia, o que pode, em última análise derivam de fontes latinas. O neoplatonismo foi fundido junto com os símbolos da merkevah, assim como as obras "Iyyun foram pseudoepigraphically atribuída aos mestres rabínicos do Merkavah (p. 27). Além disso, o primeiro uso conhecido de ARARITA vem do misticismo deste círculo.

[50] Por exemplo, considere a discussão no "Livro de especulação" dos cinco meios de aquiring o conhecimento de Deus e de como esses meios cinco aumento nos tipos 13 de transformações. Se Dee sabia que este trabalho, as idéias de lá também nos apontam, 5 + 13 = 17, a um dos teoremas mais importantes da Mônada.

[51] Desta forma, podemos olhar para a totalidade do catálogo 1583 famoso como o que ele se sentia seguro para escrever, e / ou o que poderia ser deixado para trás. A questão mais importante, para olhar para Dee e Kelley continental magia, é o que eles levaram junto com eles.

[52] Para uma excelente discussão sobre o simbolismo do Golem, ver Scholem (1965), especialmente pp 158-204, "A Idéia do Golem." Digno de nota é que a explicação do "Iyyun Circle" do quatro letras Nome "YHVH envolve a criação de um golem (ver Dan pp 54-56).

[53] Assim como não há registro de Dee e Kelley interagir com Loew, não há registro de os ensinamentos de Luria recebendo a partir de Safed, Jerusalém, onde Luria amou e ensinou 1.570-1572, a Cracóvia pela década de 1580. Lawrence Belas (2003) observa que os primeiros manuscritos Lurianic aparecem no 1500s atrasado no norte da Itália (p. 3). Influência de Luria sobre o pensamento cabalístico é profunda e, certamente, muitos na próxima geração de estudiosos, como Shabbetai Sheftel Horowitz de Praga (1561-1619), a base de seus escritos sobre os ensinamentos de Luria (p Fine. 3). Especialmente tendo em conta que o pai de Luria, Salomão Luria Ashkenazi, era provável da Polônia ou da Alemanha (p Fine. 28), seria de esperar que os ensinamentos de Rabi Luria voltaria rapidamente para Asquenaz, onde o Kaballist preeminente do dia foi Judah Loew. Ainda mais interessante, se se considerar que a mãe de Luria foi provavelmente de uma família sefardita francês, é uma possível conexão de volta para Provence.

[54] Vital, ela Derush-Masar, como traduzido por 2003 Fine, pp 131-132.

[55] pp 134-135 fina.

[56] Isto é muito simplista, no interesse do espaço. A luz realmente desce a Tiphereth, que contém seis aspectos (o Sephiroth de Chesed a Yesod), e quando quebra Tiphareth, assim como todos os seis navios.

[57] Como se pode deduzir a partir das ntoes anteriores, a melhor introdução a essas idéias complexas, e Kaballah Lurianic geralmente, é Médico Fine obra-prima de 2003 do Soul, Curador do Cosmos: Isaac Luria e sua comunhão cabalísticas.

[58] Fina, ibid. p. 199.

[59] Ibid. pp 196-203.

[60] Fenton, 1998, pp 193-196.

[61] Ver Burns, 2007, especialmente "Dee e os temores do Apocalipse".

[62] Ver nota 26 acima. Em seu diário, em 18 de junho de 1586, Dee menciona que ele está em "Hesse-Kassel, em em Erfurt era mestre Edward Kelley." Esta parece ser a data mais provável de Dee dando este manuscrito para o Langrave.

[63] Ibid pp 213-214.

[64] Ibid. pp 214-218.

[65] Ibid. p. 204.

[66] Backlund 2006.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum