Talismãs

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Talismãs

Mensagem  Lucrécia em Qua Nov 02, 2011 1:55 pm

Alguns historiadores os vêem apenas como belos adornos envolvidos em muita crendice e supertição, mas sempre foram o melhor escudo contra seres do astral até os dias atuais.
Podem ser qualquer coisa desde anéis e pingentes até estátuas e outros adornos de grande porte.
O uso de talismãs se dá desde as épocas mais remotas. Egípcios, Maias, Celtas, Sumérios e toda e qualquer cultura politeísta baseada em magia que se pode imaginar.

O talismãs em si é um objeto que carrega pantáculos ou caracteres e que foram consagrados de acordo com a crença local. Os talismãs podem ser amuletos, feitos com objetos naturais como pedras, couro de animais, ossos etc., mas nada impede que também possuam alguns elementos artificiais (metais por exemplo).
Outros tipos de talismãs são o teraphim e os filactérios. Pequenos pedaços de pergaminho com transcrições da Bíblia, geralmente depositados em duas caixinhas e presos ao corpo na cabeça e no braço esquerdo. Os primeiros são uma espécie de pantáculos de adivinhação e de proteção mágica.

Muito talismãs inclusive foram transformados em oráculos, como as runas, antes (dependendo da runa) ela era um talismã que, na maioria das vezes, era usado por guerreiros para dar sorte da batalha. Outro que também sofreu esse processo foram os búzios, acredita-se que certa tribo na África os usava primeiramente como símbolo de prosperidade e proteção.

Alguns exemplos de talismãs famosos, a maioria de proteção:

Olhos de Hórus - Também conhecido por Udyat, significa proteção e poder relacionados ao Deus dos Céus, filho de Osíris e Ísis que o concebeu com seu marido morto. Representa também a conquista sobre a morte, os sacerdotes acreditavam que estaria protegidos de pragas e doenças ao usarem esse talismã.

Pentagrama - Sua origem é cercada de mistérios, alguns dizem que os primeiros a estudarem esse símbolo foram os babilônicos. Na cultura Celta, representa a junção dos cinco elementos (Água, Fogo, Terra, Ar e Akasha) e sempre era traçado em cultos à divindades naturais que representariam algum aspecto da Deusa.

Hexagrama de Salomão - Esse selo é particularmente usado pelo sistema de evocação do Lemegeton. Além de proteção, esse telismã submeteria a entidade ao controle do magista quando revelada.

Tau - Para variar um talismã cristão. Usada pelas ordens franciscanas, a Cruz de Tau foi primeiramente usada pela Ordem de Santo Antônio em coloração azul. Representa a conversão e a penitência e é mencionada no livro de Ezequiel, quando Deus manda o mesmo marca o símbolo na casa dos inocêntes em Jerusalém.

_________________
Mas, se ergues da justiça a clava forte,verás que um filho teu não foge a luta.Nem teme quem te adora, a própria morte, Terra adorada.
avatar
Lucrécia
Administrador
Administrador

Dragão Mensagens : 655
Data de inscrição : 30/10/2011
Idade : 28

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Talismãs

Mensagem  Lucrécia em Qua Nov 09, 2011 8:36 pm

Achei um texto bem interessante sobre Talismãs:

Um dos temas mais fascinantes de toda a sabedoria hermética é certamente o da magia operativa. Magia é algo que funciona? , perguntam-se muitos. Até que ponto o mago pode mesmo produzir certos fenômenos e realizar os seus propósitos?
Para responder a esta questãi um tanto cética e de todo razoável, analisemos, despidos de preconceitos, o princípio que se coloca sempre a priori e por detrás de toda e qualquer ação ou efeito de ordem mágica: a vontade. Ela é imprescindível para que exerçamos desde os mais simples atos como dar um passo ou ler um texto como este, até os mais difíceis empreendimentos, seja escalar o Evereste ou quebrar recordes olímpicos. Não fosse a vontade, nosso próprio pensamento estaria desregrado, exprimindo idéias e imagens desconexas, haja vista que para nos expressarmos devemos bem escolher nossas palavras, no sentido de conferir sintaxe ao pensamento e torná-lo continente. Mais que isso, somente à custa da vontade é que podemos mobilizar a energia necessária para transformar em atos concretos o que antes somente existia sob a forma de um mero pensamento ou desejo; exclusivamente por meio dela é que podemos centralizar o interesse em nossos objetivos e dirigir esforços a fim de realizar alguma coisa.

Esta verdade psicológica já era sabida por nossos antepassados mais antigos. Prova disso, por exemplo, são os achados arqueológicos que mostram talismãs e amuletos, objetos estes depositários das vontades e intenções daqueles que os confeccionaram, enterrados junto aos corpos (geralmente presos junto ao peito) de homens ou animais que datam do final do neolítico.

Mas foi entre a civilização egípcia, cuja religiosidade sempre esteve atrelada à magia e à alquimia, que o uso de amuletos, feitos de diversos materiais e para variados fins, mais se difundiu na antigüidade. Num sem número de sepulturas pré-dinásticas do Egito, tais objetos, geralmente feitos em xisto verde, já são fartamente encontrados. Popularizaram-se gradativamente a partir de 3 mil a.C., ao longo da era das dinastias, quando passaram a ser esculpidos sob diversas formas de divindades, como o olho de Hórus; animais, como o abutre, o boi etc; insetos, sendo destes o mais comum o escaravelho; ou ainda sob o molde de coração, cruz ansata, cetro, colar ou outros tantos.

Não raro, tais artefatos, remotamente datados, traziam ainda inscrições com palavras de poder, obviamente talhadas por magos sacerdotes, com o intuito de que pudessem ser proferidas pelo morto em sua vida no além-túmulo. Muitas dessas imprecações, mais tarde, seriam inseridas no Livro dos Mortos, em seções especificamente destinadas a exortar o mal e provar a dignidade da alma perante o tribunal de Osíris.

Do Egito, o uso dos amuletos difundiu-se pelo mundo antigo, impressionando os persas e os hebreus que os adotaram; também os gregos, e a partir destes os romanos; e sobretudo os árabes, que os chamaram de tilasmi, que significa tanto “sortilégio” quanto “aquilo que se veste ou se porta”, de onde se originou o nome talismã.

O mestre Pitágoras, por exemplo, que se instruiu formalmente nos altos mistérios do Egito, adotou uma série de talismãs, com números e nomes gravados, com o intuito de por meio deles garantir sobretudo a saúde, e ensinava a seus discípulos em Crotona, no século V a.C., acerca do funcionamento de tais objetos, que deveriam ser confeccionados sob a devida orientação astrológica. Seguidor das idéias pitagóricas, foi o filósofo grego Apolônio de Tiana (4-97d.C.), a quem se reputa uma série de supostos milagres, quem teria melhor desenvolvido a técnica de criar talismãs denominados de “quadrados mágicos”, com números dispostos em linhas e colunas de tal forma que a soma destes, tomadas em qualquer sentido, resultasse sempre num mesmo valor.

Tal prática mais tarde influenciaria o médico alquimista Paracelso, na Basiléia do século XVI, que, além de talismãs alfa-numéricos, desenvolveu um amuleto em formato de pentagrama, a conter uma letra em cada uma de suas cinco pontas, juntas formando a palavra S-A-L-U-S (saúde, em latim), trazido por ele num colar como proteção contra a terrível peste negra.

Também entre os judeus, a ciência oculta, milenarmente guardada na cabala, não fugindo à regra, tem suas raízes no Egito faraônico. Citemos Moisés, grande iniciado na magia egípcia, que se notabilizou pelo uso preciso que fazia das “palavras de poder”, ingrediente comumente acrescido aos amuletos para que melhor concretizem o seu propósito. Lemos em Atos dos Apóstolos; 7, 22, atribuído a São Lucas que, na opinião de Santo Estevão, Moisés foi instruído em toda a ciência dos egípcios, e era poderoso em palavras e obras. Fácil constatar, em Êxodo; 7; 8-12, lemos a respeito do prodígio de Moisés, que transformou seu caduceu numa cobra diante do faraó. Este, não se fazendo de rogado, pediu a dois de seus sacerdotes, Iambres e Ianes, que imitassem tal façanha. Mas, para a surpresa de todos, a serpente de Moisés devorou as de seus adversários.

Quando da fuga do Egito, Moisés levou consigo os seus segredos e ministrou-os sob forma de Tradição Oral (a cabala) a outros escolhidos de seu povo. Convém lembrar que em hebraico, assim como o faziam os antigos gregos e romanos, os números não são escritos com cifras, senão com as mesmas letras de seu alfabeto. Com base nisso, surgiu a Gematria, sistema esotérico judaico que estabelece relações entre os nomes escritos e seus respectivos valores numéricos, de modo que as palavras passam a ter um significado oculto, somente perceptível por iniciados na arte da numerologia. Segundo esta técnica, presume-se ser possível criar nomes de poder com base no valor das letras que o compõem, nomes estes que, uma vez escritos, passam a gerar emanações secretas específicas. Tal procedimento passou a ser de fundamental importância entre os hebreus e demais iniciados na cabala, para a confecção de talismãs destinados a criar determinada condição, visto que tais artefatos poderiam ser potencializados por inscrições devidamente estudadas para tal finalidade.

Tal era a crença dos iniciados na cabala no poder das palavras, que histórias fantásticas dão conta de que o rabi Elijah de Chelm, no século XVI, com o auxílio do Sepher Yetzirah (livro sagrado cabalista, redigido entre os séculos V e VI d.C.), teria fabricado um homem artificial, o Golem, termo que literalmente significa “matéria informe”, ao qual dera vida inscrevendo em sua testa um dos nomes secretos de Deus, revelado a ele segundo a gematria. Mas a cria teria logo escapado ao controle de seu mestre, posto que não parava de crescer e se tornava hora a hora mais monstruosa. O religioso só conseguiu pôr fim a um iminente desastre apagando a inscrição do poderoso nome, com o que a criatura desfez-se totalmente.

Da gematria derivou-se o Notarikon, sistema cabalístico que considera cada palavra hebraica como um acróstico, do qual se deriva uma nova palavra de cada uma de suas letras. Talismãs famosos foram construídos por vários dos mais importantes ocultistas como Trithemius, Cornélio Agrippa e Eliphas Levi, com o precioso auxílio do notarikon. AGLA, palavra hermética muitas vezes encontrada em amuletos e outros utensílios mágicos, por exemplo, encerraria o poder da imprecação hebraica que ela guarda potencialmente em suas quatro letras: Atha Gibor Leolam Adonai, que se traduz por Senhor, Vós sois eternamente poderoso.

Todo talismã encerra duas faces: o selo e o sigilo. Entende-se por selo (ou corpo talismânico) seu aspecto externo, segundo o qual ele se apresenta a nossos olhos. Geralmente os talismãs assumem forma mandálica, ou seja, são circulares, quadrangulares, ou de formato outro que insinue a presença de um centro a partir do qual toda a figura simetricamente se organiza. Podem ainda ser esculpidos em pedra, forjados em metais, desenhados sobre o papel, feitos de gesso ou de tantos outros materiais.

Outra classe talismânica é a dos amuletos naturais, preparados por xamãs ou feiticeiros sob a forma de pequeno pacote para ser levado preso ao corpo ou nos bolsos da roupa. Costumam encerrar mesclas de matéria orgânica e inorgânica em sua composição. Podem conter em seu invólucro uma infinidade de itens devidamente escolhidos como ervas, ossos ou restos desidratados de pequenos animais, ícones de gesso, terra, sementes, pedras ou metais, sais minerais, restos de unhas ou fios de cabelo daquele que irá portá-lo, penas de aves, etc… E não nos esqueçamos dos costumes populares, que valorizam amuletos como a ferradura presa às costas da porta de entrada das casas, ou o pé de coelho, trevo de quatro folhas e dentes de javali carregados em colares e pulseiras, ou levados nos bolsos para atraírem a sorte ou espantarem o mau-olhado.

O selo pode ainda conter ou não inscrições de poder, sob a forma de palavras e números, orações ou traços cabalísticos que dizem respeito ao sigilo talismânico, isto é, a seus segredos intrínsecos. O sigilo é a alma talismânica, contraparte de seu corpo, e resume a razão ou finalidade pela qual foi confeccionado o artefato. Não necessariamente, entretanto, o sigilo deve estar gravado sob alguma forma no amuleto; ele pode simplesmente ser mantido vivo abstratamente nas intenções pessoais e genuínas de quem o preparou. Isto porque se considera que o amuleto encerre ou possua intrinsicamente uma força mágica, extensiva da vontade do indivíduo que o criou, e que se transmite àquele que irá portar o objeto, a fim de que este tenha maior proteção ou mais saúde, por exemplo.

Um dos maiores gestos de amor na magia operativa se traduz no preparo de um talismã para alguém de quem gostamos muito ou a quem desejamos nossos melhores sentimentos. Se recebemos um amuleto de um xamã, por exemplo, devemos reconhecer aí uma prova especial de sua amizade. Podemos ainda confeccionar talismãs para nossos filhos ou entes queridos, e contar com a participação deles no conjuro de tais objetos, no intuito de presenteá-los com nossas melhores intenções. Paracelso e Nostradamus, por exemplo, confeccionavam amuletos para uso de seus pacientes, e depositavam sobre eles uma intenção capaz de impressionar psicologicamente os enfermos, de modo que estes acreditassem em seus próprios tratamentos, o que de todo facilitava o caminho para a cura.

A bem da verdade, podemos dizer que não se encontra nos talismãs poder maior que o da vontade humana; eles sintetizam e representam toda uma intenção especificamente voltada para determinado efeito que se busca alcançar. Nesse sentido, os amuletos catalisam forças cósmicas e fixam o genuíno poder daquele que os possui.

Se o Universo, explica-nos a física quântica, é fruto daquilo que pensamos sobre ele, e se já é suficientemente sabido desde o século passado que o observador influi nos fenômenos que presencia, está aí a própria ciência em sua revolução chegando às conclusões que nossa arcaica mente mágica pressupunha existir ao fabricar amuletos de pedra há mais de 7 mil anos. Torna-se perfeitamente plausível a tese de que nossos pensamentos interferem no meio e criam condições mais ou menos favoráveis, consoantes com nossos padrões psíquicos conscientes ou não, que corroboram uma série de eventos entrelaçados pela fabulosa teia dos instantes sincronísticos.

A magia operativa encontra assim, no preparo talismânico, sua melhor expressão. Por meio dos amuletos ou independentemente deles todos, funciona sempre nossa vontade. Aquilo que desejamos com intensidade e justiça, não raro acabamos mesmo por realizar. Por isso cabe o aviso: são necessárias lucidez e humildade, com as quais podemos melhor discernir a boa persistência da mera teimosia, de modo que saibamos bem direcionar nossa vontade e por meio dela contribuir para o feitio do grande talismã cósmico, depositário de todos os sigilos. Seu nome? Sincronicidade. Seu maior propósito? Conspirar a nosso inteiro favor. Façamos pois (mentalizemos) as nossas preces

_________________
Mas, se ergues da justiça a clava forte,verás que um filho teu não foge a luta.Nem teme quem te adora, a própria morte, Terra adorada.
avatar
Lucrécia
Administrador
Administrador

Dragão Mensagens : 655
Data de inscrição : 30/10/2011
Idade : 28

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Talismãs

Mensagem  Andarilho do Horizonte em Qua Dez 07, 2011 1:41 am

Bem interessante post.

Observei muitos magistas praticantes repudiarem os talismãs com o pretexto de repudiarem "muletas" em seu caminho mágico. Mas não vejo assim, na verdade vejo os talismãs como ferramenta utilíssimas no caminho do praticante, afinal, quem vai andar mentalizando banimentos 24 horas por dia?

A confecção de talismãs não é difícil (ao contrário dos fetiches, que exige uma certa experiência evocatória) e eu particularmente recomendo. Observo apenas que a utilização das ferramentas mais adequadas facilita e muito a eficiência do objeto.

Quem quiser um talismã que atraia energias de prosperidade, fartura, ou que aumente seu carisma deve usar ouro no seu talismã. Já quem quer um talismã para proteção contra negatividade, ou atrair energias emocionais, introspectivas e meditativas e aumentar suas capacidades empáticas pode usar prata. Chumbo é perfeito isolante energético, aço é bom pra proteções genéricas e assim por diante.

Sugiro o estudo dos cristais e metais para quem quiser se aprofundar nessa técnica.

Lembrando que talismãs envelhecem e ficam sobrecarregados, perdendo sua eficiência por isso uma limpeza e re-magnetização periódica é indicada, principalmente se tiver algum cristal.
avatar
Andarilho do Horizonte
Magus

Mensagens : 217
Data de inscrição : 07/12/2011

http://www.reflexosdohorizonte.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Talismãs

Mensagem  Lucrezia Rottenstern em Sex Dez 09, 2011 3:32 pm

Observei muitos magistas praticantes repudiarem os talismãs com o pretexto de repudiarem "muletas" em seu caminho mágico.

É a velha imagem do mago cheio de anéis,cordões,braceletes e brincos indo ralo abaixo com a "nova geração" ocultista...

_________________
Diabo velho vou arrancar seu chifre, vou cortar teu rabo e dar para Exú comer. Da sua língua vou fazer um chicote, para dar nas costas de quem fala mal de mim. Fala mal de mim, mas não fala por detrás. Fala mal de mim, mas não fala por detrás. Ô pega ela Exú, pela ela Satanás.
avatar
Lucrezia Rottenstern
Administrador
Administrador

Macaco Mensagens : 584
Data de inscrição : 04/03/2010
Idade : 96
Localização : Iceland

Voltar ao Topo Ir em baixo

talismãs,

Mensagem  deletado em Sex Out 26, 2012 1:55 pm

já tive alguns talismãs e ainda possuo alguns úteis no meu altar.
Acredito que os melhores talismãs são feitos com a ajuda da Astrologia Tradicional, aquela antiga apenas com os 7 astros. Ao menos creio que sejam muito úteis.
No mais, todo o talismã que seja carregado com poder suficiente, será muito útil, desde que especificado para o propósito correto, pois vontades e desejos "genéricos" podem por dispersar sua utilidade ou atrair inclusive coisas indesejadas.
Por isso, acredito que se deva ter ao menos alguma experiência antes de se lançar a fabricar vários talismãs.

deletado
Magus

Mensagens : 201
Data de inscrição : 25/10/2012
Localização : nao interessa

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Talismãs

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum